Educação, Arte e Tecnologia

Três formas de revolução

Novas regras de ortografia: acentos e hifens

Alterações recentes na ortografia da Língua Portuguesa ainda causam desconfortos. Houve mudanças sobre o trema e o alfabeto, a acentuação em paroxítonas e vogais dobradas, entre outros. Neste artigo trataremos sobre os acentos diferenciais e hifens.

Acentos diferenciais

Antes desta recente reforma, em muitas palavras com grafia idêntica mas com pronúncia diferente, usava-se acento em uma das palavras para diferenciar uma da outra. Escrevia-se, portanto

  • Ele foi afetado pelo pêlo do cachorro
  • Como fazer se ela não pára para eu saber o que está havendo?

Agora estas palavras serão escritas sem o acento diferencial. A pronúncia e a compreensão da frase dependerão do contexto.

Existem exceções à regra. Foi mantido o acento diferencial quando as palavras envolvidas são flexões em tempos distintos de um mesmo verbo. Ainda escreveremos

  • Se antigamente ele não pôde, agora ele já pode.
  • Você tem alegria, mas eles têm a Felicidade.
  • Qual é o motivo pelo qual ele vem tão rápido enquanto os amigos dele vêm tão devagar?

Também foi mantido o acento diferencial do verbo pôr com a preposição por.

  • Por favor, você pode pôr os acentos no lugar certo?

Pior ainda é o caso da palavra fôrma, aquela utilizada para assar bolos e pudins. Ela poderia ser considerada como palavra acentuada para diferenciá-la da forma que as pessoas e as coisas têm. Entretanto o acordo tornou o uso da acento em fôrma facultativo, ou seja, você pode escrever como quiser.

Museu da Lingua Portuguesa

Museu da Lingua Portuguesa

Hifens

O uso do hífen em palavras compostas foi uma das alterações que devem trazer mais dúvidas. Vejamos as regras a seguir.

Prefixo terminado em vogal e elemento seguinte começando com a mesma letra.

Nestes casos deve ser utilizado o hífen. É o caso de anti-inflamatório, micro-ondas ou tele-educação.

A regra não é seguida para os prefixos “co” e “re” e continuam sem hífen palavras como cooperar, coordenar ou reeleição. O hífen está mantido quando o elemento seguinte começar por ‘h’, como em co-herdeiro.

Prefixo terminado em vogal e elemento seguinte começando com letra diferente

Nestes casos o hífen não deve ser utilizado. Escreveremos, portanto, antiaéreo, infraestrutura e autoajuda.

Se o segundo elemento começar por ‘r’ ou ’s’, esta consoante será dobrada. Serão grafadas então ultrassonografia ou contrarregra.

Lembre-se que esta regra é para prefixos terminados em vogal. Palavras compostas com prefixos em ‘r’ (como super) e elemento seguinte iniciado com a mesma letra ainda são escritas com o hífen. Não haverá mudanças para super-resistente, portanto.

Segundo elemento começa por ‘H’

Mantém-se o hífen nestas palavras, como super-homem ou pré-história.

Não se usa hífen quando a composição é formada pelos prefixos des ou in e a segunda palavra perde o ‘h’, como nos casos desumano ou inumano.

Espécies botânicas e zoológicas

Também está mantido o hífen em palavras como bem-me-quer ou feijão-preto.

Esta regra vale para palavras derivadas como azeite-de-dendê ou água-de-coco. Porém, atente-se a casos como o da planta bico-de-papagaio ou do problema de coluna bico de papagaio.

Topônimos

São topônimos as palavras que indicam um lugar. Deve-se grafar com hífen os topônimos iniciados por “Grão” (Grão-Pará), que contenham um verbo (Santa Rita do Passa-Quatro) ou que sejam ligados por um artigo (Baía de Todos-os-Santos).

Circum e Pan

Palavras com este prefixo terão hífen quando seguidos de vogal, ‘H’, ‘M’ ou ‘N’. É o caso de circum-navegação ou pan-americano.

Sub

Será utilizado com hífen quando seguido de ‘B’, ‘R’ ou ‘H’, como sub-base, sub-reino ou sub-humano.

Mal

O hífen será utilizado quando diante de ‘L’, ‘H’ ou vogal, como mal-humorado.

Ad

Haverá hífen quando o segundo elemento começa com ‘D’, ‘H’ ou ‘R’. As palavras adrenalina e adrenal continuam a serem escritas desta forma.

Além, Aquém, Bem, Ex, Grã, Pós, Pré, Pró, Recém, Sem e Vice

Estes prefixos são sempre seguidos de hífen, com algumas exceções. Escreve-se Além-mar, bem-amado, grã-fino, pós-graduação, recém-nascido ou vice-presidente. Mas serão exceções palavras como benquisto e bendizer.

Noção de composição perdida

Não há mais hífen em palavras onde a noção de composição perdeu-se com o tempo. É o caso de mandachuva, paraquedas, paraquedista ou paraquedismo.

O problema é obter consenso sobre quais são as palavras onde esta noção de composição foi perdida. Existe a tendência a serem considerados somente os quatro casos aqui citados. Então estariam mantidos os hifens em palavras como para-raios ou guarda-chuva.

Também foi mantida a grafia sem hífen de palavras como madressilva ou pontapé.

Conjuntos de palavras que formam uma nova

Se um conjunto de palavras formam uma nova expressão em significado e função, não serão grafadas com hífen. É o caso de dia a dia, mão de obra ou pé de moleque.

Será mantido o hífen de sete locuções

  • Água-de-colônia
  • Cor-de-rosa
  • Pé-de-meia
  • Deus-dará
  • Arco-da-velha
  • Queima-roupa
  • Mais-que-perfeito

A confusão das exceções

Você deve ter reparado que este artigo tratou de situações com muitas exceções. Por exemplo, escreveremos coabitar ou co-habitar? Estes casos só serão esclarecidos com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, elaborado pela Academia Brasileira de Letras. Neste caso em particular, o certo é coabitar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Tagged as: